O termo nasceu em 2007, a prática consistia basicamente em literalmente “quebrar a jaula” do antigo sistema da Apple, que era muito criticada por ter um software extremamente fechado.

Para isso, grupos de hackers buscavam brechas dentro das aplicações com a finalidade de inicialmente, quando não havia a App Store, desbloquear o aparelho para o uso de operadoras de outros países, pois de forma oficial realizava ligações apenas dentro dos Estados Unidos.

O tema é bastante polêmico e, há alguns anos, era a matéria principal de muitos blogs especializados. Quer saber mais detalhes sobre o jailbreak para iPhone? Continue acompanhando o artigo!

Curiosidades

Basicamente, quando a empresa lançava alguma atualização do sistema, esses grupos realizavam uma grande busca para encontrar as falhas que davam liberdade para o usuário modificar o software do aparelho.

Com o tempo essas ferramentas foram ganhando mais força e deram uma enorme variedade de personalizações. As pessoas puderam pela primeira vez ter acesso às brechas e instalar gratuitamente aplicativos pagos da loja oficial.

Mas agora, os tempos mudaram e a empresa transformou bastante a sua política. Hoje o sistema é bem mais flexível e atraente para os seus usuários, o termo tem inclusive caído no esquecimento. Afinal, ainda vale a pena realizar o procedimento?

Vantagens

Customização

Apesar de o iOS ser bem mais customizável nos dias de hoje, o software ainda assim é mais fechado do que seu grande concorrente Android. Para usuários que procuram de toda forma contar com animações diferentes, esconder aplicativos da tela inicial ou alterar o tamanho dos ícones, o recurso pode ser um bom agrado.

Mais opções na tela de bloqueio

Com o uso do jailbreak, o usuário pode adicionar diversas funcionalidades na tela de bloqueio, seja com recursos de aplicativos, seja com widgets para tornar as funções mais acessíveis.

Privacidade ao acessar apps e pastas

Há momentos em que emprestamos os nossos dispositivos para outras pessoas, essa situação é potencialmente desconfortável, pois o dono pode não querer que elas acessem determinado aplicativo.

Usando o procedimento e instalando a ferramenta correta, é possível criar um bloqueio e, quando alguém for entrar no app, o sistema pedirá para desbloquear usando o touch ID, dando mais privacidade para o dono.

Desvantagens

Perda da garantia

Apesar de ter uma lei que aprova a liberdade de desbloqueio aos usuários, a empresa não incentiva a prática. De acordo com a Apple, o uso de softwares não autorizados pode causar defeitos no aparelho e, em alguns casos mais sérios, a perda total do equipamento, caracterizando mau uso por parte do cliente.

Por esse motivo, para evitar problemas maiores, a empresa diz que a prática não é legal e, caso seja realizada, a garantia não pode ser reclamada.

Vulnerabilidade

Quando o usuário decide instalar o jailbreak, automaticamente está abrindo algumas oportunidades para que programas maliciosos entrem no sistema.

O sistema é ainda fechado justamente por esse motivo, a Apple é bastante rigorosa no controle de qualidade com os aplicativos de sua loja. Essa é uma medida de segurança que visa manter os dados de seus clientes seguros.

Instabilidade

Como dito acima, o controle de qualidade para que um desenvolvedor coloque seus aplicativos na loja é bastante alto.

Com a instalação de apps que não passam por todo o processo, o usuário permite que desenvolvedores independentes façam aplicativos que exigem recursos além dos padrões, pela má otimização ou por realmente serem pesados para o aparelho.

Isso faz com que o usuário sofra com instabilidades frequentes, travamentos e maior consumo de bateria.

À primeira vista, os recursos disponibilizados parecem interessantes, mas a pessoa deve estar atenta aos danos que podem causar ao aparelho em longo prazo. Caso ainda esteja na garantia, o usuário deve dobrar a atenção.

Conhecia algo sobre jailbreak para iPhone? Tem alguma dúvida? Comente abaixo!